Coluna do Domingo: Política ambiental jogada no “lixo”

Desde o final de dezembro não se fala em outra coisa em Serra Talhada a não ser a polêmica do lixão a céu aberto interditado pelo Tribunal de Contas de Pernambuco. O local que deveria servir como transbordo temporário se tornou um verdadeiro lixão clandestino nos últimos três anos. 

Inicialmente o terreno era usado apenas para a transferência do lixo dos caminhões compactadores para as carretas encarregadas de fazer o transporte dos resíduos ao aterro sanitário de Salgueiro. Mas, ao longo dos últimos anos, a prefeitura reduziu o volume de lixo enviado aos aterros sanitários e passou a depositar os resíduos diretamente no solo, provocando uma grave contaminação ambiental, conforme relatório do TCE-PE. 

E o mais grave é que a Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) tinha conhecimento do lixão, mas fez vista grossa por vários meses em 2023, dando margem para a gestão Márcia continuar jogando lixo no terreno e postergar a implantação da Estação Pública de Transbordo de Resíduos Sólidos Urbanos. 

O escândalo escancarado pelos fiscais do Tribunal de Contas evidencia a fragilidade da gestão ambiental em Serra Talhada. Enquanto o governo fazia publicidade nas mídias sociais e na imprensa sobre os avanços na sustentabilidade, mantinha um lixão clandestino com mais de oito metros de altura.

Curiosamente, a gestão vinha usando a coleta de lixo como propaganda positiva do governo pela eficiência do serviço, maquiando a verdadeira realidade por trás da coleta: o lixo tirado das portas das residências era jogado no solo ao invés de ser enviado para os aterros sanitários de Salgueiro e Afogados da Ingazeira. O motivo: débitos acumulados junto aos dois aterros, conforme apontou o relatório de fiscalização do TCE-PE. Veja o relatório.

Com a desativação do lixão, o governo entrou em parafuso para manter a coleta do lixo produzido nas residências. A semana foi marcada pelo caos na cidade, com lixo espalhado de canto a canto, mau cheiro, tapurus e aves carniceiras sobrevoando os bairros. Choveu reclamações da população. 

A secretária Simone Daniel informou que conseguiu contratar novos carros compactadores para reforçar a coleta e transporte para Afogados. O município também estaria correndo atrás para construir a Estação de Transbordo. Não há prazo definido. 

Não destravou: No comando do município desde janeiro de 2021, a prefeita Márcia Conrado não conseguiu em três anos construir uma estação de transbordo definitiva para evitar a contaminação do solo. Agora, tentando amenizar o desgaste político, o governo tenta responsabilizar a gestão anterior pelo colapso na limpeza pública. É claro que havia problemas com lixo nos governos passados, mas não é admissível tentar se eximir de responsabilidade após três anos no poder. Inclusive, foi comprado um novo terreno no final do governo de Duque para a construção do transbordo. A articulação da compra teria sido feita por Fred Pereira, que à época atuava como auxiliar da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo. Hoje, aliado de Márcia, Fred pode apresentar o terreno ao governo. Pode ser uma solução.  

Não destravou 2 – Chamada de destravadora de obras pela propaganda do governo, a prefeita Márcia Conrado tem um abacaxi dos grandes para descascar. Apesar dos aliados insistirem que os problemas da coleta de lixo já estão resolvidos, não é verdade. Sem poder mais jogar os resíduos no lixão, a prefeitura provou que não tinha um plano B. Levar o lixo em compactadores com rapidez para Afogados é inviável, considerando a distância de quase 200 quilômetros e as despesas exorbitantes para bancar as inúmeras viagens. Outro entrave é a inadimplência, como constatou o TCE-PE. A informação é que o governo conseguiu pagar ao aterro de Afogados, mas ainda estaria devendo a Salgueiro. 

Fake news do TCE? – A secretária Simone Daniel negou que haja débitos. Ela só não especificou se os débitos inexistentes seriam junto às empresas da limpeza ou aos aterros. “Não existem débitos, é sempre pago mensalmente”, garantiu Simone em entrevista à Rádio Lider FM. Já o secretário de Comunicação, Anderson Tennens, sugeriu que o jurídico da prefeitura acione quem disser por aí que o município está inadimplente. Nesse caso, além de processar o vereador Vandinho, oposicionistas e integrantes da imprensa, a prefeitura vai ter que processar o ex-presidente do TCE, Ranilson Ramos, que assinou o relatório em dezembro constatando os débitos junto ao aterro sanitário de Afogados e às empresas CR Ambiental e Piemonte. 

“A equipe de fiscalização deste Tribunal, diante das irregularidades descritas, evidenciou uma gestão temerária do Município quanto à questão da coleta, transporte e destinação dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU), sendo verificado que a Prefeitura se encontra inadimplente quanto aos pagamentos devidos as duas empresas responsáveis pela coleta (CR AMBIENTAL e PIEMONTE), bem como a empresa responsável pelo Aterro Sanitário de Afogados da Ingazeira (ALBERTO BERTO)”. Fonte: TCE-PE. 

Silêncio – A prefeitura ainda tentou disfarçar o caos na limpeza pública. Defensores da gestão (incluindo cargos comissionados) se revezavam nas redes sociais para desmentir informações sobre problemas na coleta de lixo. Mas, não aguentaram por muito tempo. Sem alternativa, tiveram que admitir as dificuldades para manter o calendário de coleta. Por enquanto, anunciaram calendário emergencial válido para este sábado (6). 

Silêncio 2 – Chama atenção o silêncio dos gestores responsáveis pela política ambiental em Serra Talhada. Nem o secretário de Meio Ambiente, Sinézio Rodrigues, e nem o presidente da Agência Municipal de Meio Ambiente (AMMA), Ercilio Ferrari, se manifestaram acerca da poluição ambiental cometida pelo governo Márcia. Mesmo não sendo responsáveis pela limpeza pública, os dois são responsáveis pela agenda ambiental a nível de município. Silenciar não deveria ser uma opção. Será difícil fazer publicidade a partir de agora usando o meio ambiente como plano de fundo.

E o PT? – O partido de Márcia e Sinézio também mantém o silêncio sobre a poluição ambiental e as condições insalubres enfrentadas pelos garis encima de caçambas cheias de lixo, como no século passado. O Partido dos Trabalhadores ainda defende os trabalhadores? Difícil saber. 

CURTAS

Cadê os comprovantes – Terminou o ano e a novela dos consignados segue sem solução em Serra Talhada. O Ministério Público recomendou à prefeitura deixar de reter os valores dos servidores. A prefeitura garante que está pagando e diz que foi erro de algum funcionário dos bancos. É simples: basta o governo apresentar os comprovantes de transferência bancária dos valores às respectivas agências. Se pagou, mostra os comprovantes. Porque já passou da hora do problema ser resolvido. O MP, inclusive, demorou muito para agir. Já deveria ter apresentado ação de improbidade administrativa. 

Insatisfeito – É notório que o empresário Faeca Melo não está feliz com a condução do grupo de Sebastião Oliveira na escolha do nome do Avante em Serra Talhada. Deixado de fora da lista preliminar de possíveis pré-candidatos, Faeca vem soltando indiretas nas redes sociais. Frequentemente aparece em clima de confraternização com governistas. Disse que pode ser candidato. Comenta-se que estaria balançado para fechar com Márcia. Quem sabe não será o vice da petista? 

“Márcia Conrado vai moer a máquina” – A declaração é do secretário de Esporte e Lazer, Helano Peixoto. Ele disse que Luciano Duque não assumiu ainda que é candidato a prefeito porque não teria condições de atender os pedidos das lideranças políticas do município, que acabariam insatisfeitas e correndo para os braços de Márcia. Na visão do secretário, só a prefeita consegue atender as demandas das lideranças por ter a máquina na mão. E garantiu que agora em 2024 “Márcia vai moer a máquina”. Problema é que pela legislação eleitoral usar a estrutura pública para benefício político é crime. 

A IMAGEM DA SEMANA:

Cachorro faminto rasga lixo em busca de alimento. Duas realidades gritantes em Serra Talhada: ruas cheias de lixo e animais abandonados. Até quando? 

 

 

Compartilhamento

Coluna da Semana: Calamidade ou má gestão?

Incentivados pela Associação Municipalista de Pernambuco (AMUPE), dezenas de prefeitos pernambucanos decretaram estado de calamidade financeira em seus respectivos municípios nesta reta final de 2023. Os prefeitos alegam ingovernabilidade diante das quedas dos repasses federais de FPM e ICMS, mesmo discurso que vem sendo repedido insistentemente pela presidente da AMUPE e prefeita de Serra Talhada, Márcia Conrado (PT).

É fato que as dificuldades financeiras existem e sobrecarregam  os municípios, ninguém está negando isso. Mas é fato também que as crises financeiras sempre existiram, essa não é um caso excepcional. Agora, o que fica evidente é que a maioria dos prefeitos não vinha fazendo uma gestão fiscal exitosa nos últimos anos, realidade atestada pelo Índice Firjan de Gestão Fiscal – IFGF. Serra Talhada, por exemplo, tem a pior gestão fiscal do Pajeú, evidenciando falta de planejamento e um grave desequilíbrio das contas públicas sob o comando de Márcia Conrado. É matemática básica, não se pode gastar mais do que arrecada.

Márcia, inclusive, entra em contradição constantemente quando fala em crise financeira, mas continua gastando valores exorbitantes com festas e publicidade. Já em meio à queda de repasses do FPM, que ocorreu de julho a setembro, ela realizou uma festa milionária – anunciada como a maior Festa de Setembro de todos os tempos em Serra Talhada, deixando os prefeitos da região abismados. Foram gastos mais de R$ 6 milhões no evento, e quando somados todos os gastos com festas já são uns R$ 15 milhões. Com combustíveis, mais de R$ 20 milhões em três anos. Com publicidade são cerca de R$ 10 milhões, conforme dados do portal Tome Conta do TCE-PE e denúncias do vereador Vandinho da Saúde.

E o mais grave é que os gastos não param. Mesmo com o decreto de calamidade enviado à Alepe, o governo segue anunciando festividades no município. Para os festejos do Natal já tem licitação no valor de R$ 140 mil. Daí fica a pergunta, o que é mais importante em meio à calamidade, comprar luzes natalinas ou pagar aos fornecedores, mediadores e servidores?

Outro detalhe que é preciso ser apontado é o fato dos atuais prefeitos terem pego os cofres dos munícipios abarrotados de dinheiro em virtude da pandemia da Covid-19. O dinheiro chegou. Resta saber como foi gasto pelos prefeitos. Alguns, inclusive, estão na mira da Polícia Federal e dos órgãos de controle por má conduta com os recursos da pandemia.

Cultura bem servida – A Fundação de Cultura de Serra Talhada gastou quase R$ 10 milhões somente em 2023, sob o comando de Josenildo Barboza. A maior porcentagem foi com festas e eventos.

Curiosamente, o movimento cultural da cidade está revoltado com a condução de Josenildo a frente da pasta, principalmente em virtude da Lei Paulo Gustavo. Artistas acusam o governo municipal de ter criado critérios para dificultar o acesso dos fazedores de cultura aos recursos da LPG, contrariando a determinação do Ministério da Cultura.

Morde e assopra – De uma lado, a prefeita Márcia Conrado explora a imagem do presidente Lula, com fotos frequentes postadas com ele nas redes sociais, e por outro mobiliza os prefeitos pernambucanos a decretarem calamidade já no primeiro ano de governo do petista. E olha que ela pretende usar o presidente como principal cabo eleitoral para se reeleger em 2024. Afinal, Lula vem reconstruindo o país ou quebrando os municípios? Uma coisa é certa, a caneta dos municípios não está não mão de Lula.

Prefeitos na bronca – Não são poucos os prefeitos pernambucanos insatisfeitos com a gestão da AMUPE. O fato foi pauta da coluna política da Folha de Pernambuco essa semana, com assinatura da conceituada jornalista Betânia Santana. “Muitos prefeitos têm reclamado que a Amupe lança ideias que até parecem interessantes, mas não orienta os gestores nem acompanha a execução das propostas, o que ganha caráter mais midiático. Também estranharam que a prefeita tenha pedido reconhecimento de calamidade financeira do município, embora saibam de dívidas a fornecedores, e na área da limpeza pública. Só à previdência, seria algo em torno dos R$ 17 milhões. O estranhamento decorre de investimentos na contramão da crise: cerca de R$ 10 milhões com publicidade e outros R$ 15 milhões em festas”, diz a coluna.

Coerência – Quem demonstrou coerência foi o prefeito de Ingazeira e presidente do Cimpajeú, Luciano Torres. Decretou calamidade, mas cortou as despesas supérfluas. Cancelou a festa de emancipação política que aconteceria agora em dezembro e decidiu priorizar os compromissos mais urgentes. “Faz festa quem pode”, disse em entrevista à Rádio Pajeú.

Bom exemplo – Não basta ser prefeito, é preciso ser bom gestor. É o caso de Marconi Santana, de Flores, que antecipou o pagamento integral de todos os servidores e bolsistas em novembro. Em Afogados, Sandrinho Palmeira vem passando um aperto grande, mas evita gastos desnecessários, é averso à ostentação e honra o pagamento dos servidores.

Dinheiro chegou – O governo federal liberou na quinta (30/11) a recomposição orçamentária das perdas do FPM para os municípios brasileiros. Para Pernambuco são R$ 205,1 milhões. Sabendo fazer gestão e cortando gastos desnecessários, não há necessidade de decretar calamidade. A não ser que o interesse de alguns seja empurrar os débitos com a barriga, não repassar contribuições previdenciárias, manter as prefeituras inchadas para evitar desgaste às vésperas da eleição e mesmo assim não se pegos pela Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF. Esse decreto é um verdadeiro cheque em branco que a Alepe está dando aos municípios. Já tem fornecedor desesperado com medo de não receber mais e sequer poder cobrar.

Polêmica da semana – A semana foi marcada pela notícia da vinda de mais um curso de Medicina para Serra Talhada. O que era para ser um sonho para os estudantes mais carentes, pode ser tornar um pesadelo. O curso está sendo liberado para o município, através da AESET, mas está sendo negociado para acontecer numa faculdade particular. Para vereadores da base e oposição, é um verdadeiro escândalo. Até agora o governo municipal preferiu silenciar sobre o assunto. A AESET nega que tenha fechado acordo com a FIS, mas esqueceu de combinar com a FIS para não anunciar antes do tempo. Na porta da faculdade já tem a placa divulgando a chegada do curso de Medicina.

Sem segredo – Diferente de Serra Talhada, que tentou esconder a história do curso de Medicina, em Afogados o prefeito Sandrinho saiu na frente e comemorou a chegada do curso para a cidade. Está sendo liberado para a UNIFIP – antiga Faculdades Integradas de Patos, com total apoio do governo municipal, como tem que ser. O que não pode é ser liberado para a autarquia e terceirizado para a iniciativa privada.

Censura – A cúpula do governo Márcia proibiu a assessoria de comunicação da gestão de enviar as informações institucionais do município para o Blog Juliana Lima. O secretário de Comunicação, Anderson Tennens, ainda tentou agir corretamente e distribuir as pautas para todos os veículos de imprensa sem distinção, mas foi desautorizado. Essa é a nova democracia petista.

 

Compartilhamento

Coluna da Segunda

Os planos de Márcio Oliveira

Político respeitado em Serra Talhada pelo comportamento exemplar e pela lealdade, o vice-prefeito Márcio Oliveira está se projetando para o futuro ao se filiar ao Partido dos Trabalhadores, legenda que elegeu os últimos dois prefeitos da cidade por três eleições consecutivas.

Correto como costuma ser em tudo que faz na vida pública, Márcio chegou ao partido respeitando o Diretório Municipal e buscando diálogo com a presidente Cleonice Maria, com quem já vinha conversando há um tempo, até a oficialização na sexta-feira (17).

Com seus dois mandatos de vice terminando, Márcio poderia muito bem voltar a disputar uma vaga na Câmara Municipal, mas ele já disse que não disputará as próximas eleições, o que deixa muita gente intrigada. Ora, se não pretende disputar as eleições, porque já se filiar ao PT? É um verdadeiro mistério. Ou não.

Nos bastidores corre a informação que Márcio almeja disputar uma vaga para estadual em 2026 com o apoio de Márcia, caso ela seja reeleita. Esse seria o principal motivo da mudança para o PT. Estando no partido da prefeita, teria toda a estrutura da legenda para entrar na disputa como deputado do grupo governista, já largando com uma boa vantagem. Se acontecer, poderá frustrar os planos de muita gente que está de olho na vaga de estadual no grupo da petista.

Passou batido

Acostumada a registrar tudo em tempo real nas redes sociais, Márcia não se manifestou sobre a chegada de Márcio ao seu partido, o PT. Não há nenhum post de boas-vindas no feed do Instagram, nem tampouco ela o acompanhou durante a filiação no Museu do Cangaço. O fato despertou curiosidade, uma vez que Márcio é seu fiel aliado. O esperado era que a prefeita o acompanhasse e abonasse a filiação, como de costume.

Pau pra toda obra

Depois de aparecer cortando a grama do Estádio Pereirão, o secretário de Esporte e Lazer, Helano Peixoto, passou o sábado distribuindo água na zona rural. Sábado Solidário é o nome do programa de Helano. O slogan: “Minha prioridade é atender a sua necessidade”. Num calor desse, água nunca é demais.

Filho de peixe

O jovem advogado Miguel Duque não esconde a paixão pela política e deverá seguir os passos do pai, Luciano Duque. Na primeira entrevista dele se saiu até bem. Foi neste fim de semana na TV Farol. Não admitiu pré-candidatura, mas disse que está à disposição para contribuir com o grupo de Duque, seja como advogado ou não. Já tem gente dizendo que ele botou mais tempero na política de Serra. Teve também gente compartilhando fakes sobre as declarações de Miguel, tentando criar uma saia justa para Ronaldo de Dja, hoje o pré-candidato apoiado por Duque.

Mais gente chegando

Além de Márcio, o vereador China Menezes está de malas prontas para desembarcar no PT. Ele confirmou ao blog que tem interesse e já abriu diálogo com a presidente Cleonice Maria. “Estou vendo a possibilidade de ir, mas nada certo ainda”, disse. Se ele for, irá se juntar a Mané e Rosimério, além de um batalhão de pré-candidatos. A disputa não será fácil.

Clima bom

Por falar em China, o vereador esteve na sexta no lançamento deste blog no Museu do Cangaço. Deixando a política pequena de lado, não se negou a ser fotografado batendo um papo com o deputado Luciano Duque. Afinal, nem tudo na vida deve ser guiado pela política, ou seria “politicagem”. Diferente de China, tem gente ligada ao governo que corre de um click com Luciano igual o diabo corre da cruz. Acho que a presença de Nill na foto amenizou os riscos.

A bênção do mestre

Amigo de longas datas, o comunicador Nill Júnior nos deu a honra de “palestrar” no lançamento deste blog na sexta-feira (17), no Museu do Cangaço. Respeitado em toda região por sua conduta correta e jornalismo autoral, Nill falou sobre a importância da blogosfera para a comunicação regional. Atraiu a plateia do início ao fim. Mestre é mestre. Ter a benção e o respaldo de Nivaldo Alves Galindo Filho na construção desse projeto é uma honra.

Olhando do céu

E por falar em mestre, não poderia deixar de dedicar esse projeto ao eterno Anchieta Santos. Se Nill me ensinou o bê-á-bá do jornalismo, Anchieta foi meu maior incentivador profissionalmente. Pouco antes de partir, tinha brigado comigo por tá fora do rádio e pautando apenas assessorias. Tenho certeza que ele tá lá no céu torcendo por mim e reparando se eu tô fazendo tudo certinho.

Milagres acontecem

Arrancar André Luis, Marcos Oliveira e Ranilson Clebson de casa numa sexta-feira à noite pode se dizer que é um milagre. Os três estiveram no lançamento do blog. Em nome deles estendo meus agradecimentos a todos os colegas de profissão que passaram por lá.  Joãozinho Telles, Guilherme Azevedo e Sebastião Costa, gratidão.

A tragédia argentina

O povo argentino cometeu um verdadeiro crime contra si próprio ao eleger o extremista Javier Milei para presidente neste domingo (19). Ultradireitista assumido, Milei defende a venda de órgãos humanos, ataca os direitos individuais das mulheres, defende armas de fogo e chama a justiça social de aberração. Os argentinos vão precisar de sorte.

BOA SEMANA!

Compartilhamento